Blog do Beto Kieling

Crônicas, dicas e etcétera e tal

Lembro bem

cristoA Sexta-feira Santa da minha infância tinha um significado especial. Além das celebrações religiosas, que marcavam toda a semana, havia a sexta-feira para lembrar a morte de Jesus. Era um dia de silêncio, a criançada sob a vigilância dos adultos para que a algazarra que marcava os outros dias não acontecesse. O combinado era que, até às três da tarde, haveria um recolhimento contrito. Naquela hora, lembrávamos do sofrimento de Cristo, com alguma compaixão. A compaixão possível para nossos conhecimento elementares de religiosidade.

Depois, estávamos liberados para o futebol e a bagunça.

Ficava, portanto, em nossos corações, a história da fundação do cristianismo, de forma indelével. Mas havia, ainda, a promessa de ressurreição, que para nós vinha em forma de ovos de chocolate, bolachas pintadas, pirulitos, gomas de mascar e até um churrasquinho da “parentaia”. Eta ressurreição boa!

Aliás, o peixe da sexta-feira santa era, invariavelmente, uma lata de sardinhas. Não havia oferta de peixes, e os oferecidos em mercado eram caríssimos.

Mas nas nossas cabeças de garotos restavam perguntas cujas respostas não recebemos até hoje. Por que o símbolo da Páscoa é um coelho se ele não põe ovos? Mesmo que fosse capaz dessa façanha, ele conseguiria botar 6 bilhões de ovos todo ano? Por que podemos comer peixe, se peixe também é carne? As crianças do Nordeste também devem jejuar? Não seria muito melhor se, no lugar de Cristo, tivessem crucificado o coelho?

Pois é. Na infância, a semana santa tem significados que nos acompanham pelos tempos afora.  

************

Tradicionalmente, no Brasil, a quaresma coincide com a divulgação da Campanha da Fraternidade, um interessante projeto católico que, todo ano, debate algum tema importante para a sociedade.

Em 2013, o tema é “Fraternidade e juventude”, um tema abrangente, que pode provocar reflexões e debates infindáveis, mas extremamente necessário num país com quase 200 milhões de habitantes. Desse total, os considerados jovens são mais de 80 milhões. Uma massa humana superior à população da maioria dos países do mundo.

O tema, portanto, é atual mas também é permanente. Debater a juventude é programar o futuro, não é?

************

O anunciado projeto de duplicação da RS-344, no entorno da cidade, já suscitou um problema que vem preocupando muita gente. O que fazer com o porco do trevo do frigorífico?

Penso que devemos dar um destino nobre ao simpático porquinho. Eu sugiro um novo monumento, um novo pedestal, em um local adequado, pois consta que o projeto de engenharia prevê uma elevada naquele cruzamento. Confesso que não sei o que o projeto pretende fazer com ele.

Uma enquete até seria útil. Ou um plebiscito, sei lá. A população poderia decidir o destino da pequena estátua, que já virou símbolo. Brincadeirinha, eu sei. Mas já virou tema de conversa séria nas esquinas da cidade. A unanimidade é pela preservação do porquinho. Já tenho até um slogan para a campanha: “Salve o porco, que ele merece!”. Espero que você, caro leitor, seja um dos apoiadores. Afinal, é hora de retribuir tudo o que ele, o porco, já proporcionou à economia regional. E tenho dito.

Anúncios

28/03/2013 - Posted by | Crônica Semanal

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: