Blog do Beto Kieling

Crônicas, dicas e etcétera e tal

Do carnaval que não existiu

mijoesA novidade deste carnaval foi a campanha, nas grandes cidades, contra os mijões. São os caras que saem nos blocos e acabam fazendo xixi em qualquer parede ou poste, por conta do fantástico volume de líquidos ingerido. Além da campanha publicitária, a polícia deteve um número incontável de mijões, inclusive alguns turistas estrangeiros, o que prova que a má-educação não é privilégio nosso. Imagine a cena:

“Mãos ao alto! Você está detido!”

“Qual a razão, seu guarda?”

“Está fazendo xixi em local proibido”.

“Tudo bem, seu guarda, então vamos fazer um acordo. Eu ergo as mãos para o alto e o senhor segura o meu bráulio, tá legal?”

************

E no caminho para Santo Cristo, durante o carnaval, foram apreendidos um facão e três facas em um automóvel. A polícia não deu maiores explicações sobre o fato. Ficou claro, porém, que não se tratava de foliões. A presença das armas no carro, no calor intenso do carnaval, só têm uma explicação. O facão é para cortar a melancia, e as facas para tirar as sementes. E quem duvida?

************

Já vai longe o tempo em que as esposas cobriam os olhos de seus maridos durante a transmissão do carnaval carioca, justamente quando eles sacudiam o tédio ao verem alguma mulher com trajes mínimos diante das câmeras. Isso depois da meia noite, quando as crianças já estavam na cama.

Hoje, a mulata Globeleza aparece pelada já no Jornal do Almoço…

************

Pois o carnaval não aconteceu em Santa Rosa. Acredito que a decisão foi apenas conveniente. Não em razão do respeito à tragédia de Santa Maria, mas porque a coisa estava mesmo pouco organizada por aqui. A justificativa foi o luto, que certamente não existiu. Poderiam até mesmo justificar de forma mais realista, explicando a falta de dinheiro, a troca recente da administração, o pouco tempo disponível, etc. A gente entenderia.

Mas a história do luto, decididamente, ninguém engoliu.

************

A notícia mais interessante do carnaval veio da cidade de Panambi. Lá não houve festa simplesmente porque o município não tem feriado no Carnaval! Isso deveria ser notícia mundial. A única cidade brasileira sem carnaval. É mesmo inacreditável, embora a gente saiba que os alemães de lá pouco tem a ver com a festa momesca.

Como todos sabemos, a terça-feira do Carnaval acontece 47 dias antes da Páscoa, e tem relação direta com o calendário religioso. É também conhecida como “terça-feira gorda”, pois representa um momento de festa e comilança, já que antecede a quaresma, período em que os cristãos jejuam e fazem penitência.

A justificativa, lá em Panambi, é que a Câmara de Vereadores teria que “decretar” o feriado de Carnaval.

Precisamos ter cuidado. Desconfio que em breve Panambi irá declarar sua separação do Brasil e adotar o alemão como língua padrão, e a bermuda com suspensório e o chapeuzinho verde como traje oficial…

Anúncios

18/02/2013 Posted by | Crônica Semanal | Deixe um comentário